Como lidar com as frustrações no futebol… com bom humor


Pra quem não sabe, o Atlético de Madrid, que é o principal rival do Real Madrid, chegou a passar por uma baita seca de títulos.

Foi campeão recentemente pela segunda vez em três temporadas da Liga Europa (“quase” uma Champions League, guardada as devidas proporções, está para a Champions assim como a Sul Americana está para a Libertadores). Mas o protagonismo do futebol da Espanha fica por conta do Real e do Barcelona. Coisas do dinheiro que move a indústria do futebol.

Mas sua torcida apaixonada e quente como os vinhos espanhóis usa de bom humor para retratar as fases difíceis e esse quase protagonismo do Atlético.

O YouTube tem vários vídeos excelentes sobre esse bom humor. Abaixo seguem quatro. Os dois primeiros sãos os meus favoritos.

Veja aqui. Mas se for lá no YouTube você verá outros.

Tá frio aí?


A Havas Worldwide (agência de marketing) fez uma ação nos cinemas de Düsseldorf, na Alemanha. Eles regularam o ar condicionado das salas em 8ºC para as pessoas sentirem como os moradores de rua se sentiam no inverno europeu.

Ao mesmo tempo, eles passavam na tela depoimentos dos sem-teto quando eles (os sem teto) descobrem que os cinemas estão “congelando”.

O público no cinema depois podia fazer uma doação através do QR Code dos cobertores que os esquentavam.

Vale a pena ver.

10 melhores comerciais de 2012


No final de 2012 a Exame online publicou os 10 melhores comerciais de acordo com a Business Insider.

O meu preferido da lista é a campanha do TheGuardian com o vídeo dos três porquinhos. Eles são presos por colocarem o lobo mau na panela.

Confesso que eu nem lembrava do final da estória dos 3 porquinhos, mas é bem interessante a forma como foi retratado. Hoje em dia uma notícia pode ter várias versões, e essas versões serem exploradas nas redes sociais de acordo com a conveniência dos protagonistas e seus seguidores. O cara “bom” pode virar o sujeito “do mau” em algumas tuitadas.

E vice-versa.

Você pode ver toda a lista no site da Exame clicando aqui.

Abaixo seguem outros dois dos 10 vídeos.

Este também é muito bom. Vamos primeiro resolver os principais problemas.

 

E este é para os que estão pensando em iPhone x Galaxy.

Heineken, de novo. Vídeo do processo de seleção.


Processos de entrevista para um novo emprego são sempre estressantes. Não importa sua idade ou experiência prévia.

A Heineken fez algo diferente para trazer pessoas, digamos assim, “com entusiasmo”.

Do you think I am getting infected by your enthusiasm?

O que vai estar escrito na sua lápide?


Alguns amigos diriam que o tema deste post é porque fiz 50ão recentemente. Dizem – com certa dose de razão – que a partir dos 50 anos de idade você tem mais passado que futuro. Niemeyer está aí para provar o contrário.

Mas não é não…

A frase do título do post é porque nos últimos, sei lá, dois, três anos, conheci muita gente em que me despertava essa pergunta.

Fico curioso. Algumas pessoas são tão de mal com a vida, tão amarguradas, que podem tentar disfarçar mas não conseguem.

Um aspecto comum: todas tinham muito dinheiro. Uns mais, outros menos. E alguns, muito!

Não, antes que me condenem, não estou dizendo que tem que ter dinheiro para ser amargurado. Aliás, a tendência talvez seja inversa. Mas estou dizendo que a imensa maioria dos que conheci nessa condição, tinham dinheiro.

E essa amargura contagia o ambiente. Em alguns casos o sujeito torna-se quieto, monossilábico, sem sorriso. Quase não dá prá perceber se tem dentes. Uma vez fui entrevistado para um alto cargo executivo por um sujeito assim. Quando ele entrou na sala – eu no sofá da entrevista – parecia que uma nuvem negra tinha entrado junto. Não rolou. Hoje dou graças… ia ser complicado. Mas ali lembrei da velha frase: “dinheiro não traz felicidade”.

Outros são até agradáveis no convívio, mas de repente se tornam agressivos. Qualquer motivo é motivo para um processo hostil de auto-afirmação. Essa bi-polaridade transforma o sujeito numa bomba relógio desregulada. Conheci um assim. A conversa ia bem. Sem problemas. De repente, uma simples faísca de uma contrariedade e… bum! Explodia.

E tem aqueles que gostam de desrespeitar quem estiver por perto. Típica manifestação de poder desnecessária. Claro geralmente pessoas (na visão deles) numa escala social inferior. E não demonstram qualquer arrependimento. Nada! É um tipo de sociopatia. Falei sobre isso em outro post mais antigo (http://vcriscio.com/2012/06/30/meu-vizinho-e-um-psicopata-e-ele-fala-a-mesma-coisa/)

Aliás, esses são os mais complicados: esses destratam garçons, manobristas, o instalador da tv a cabo, um simples sujeito que sem querer senta sem querer no assento marcado do sujeito no avião. Enfim, qualquer pessoa que pode parecer na visão liliputiana deles, alguém menos provido de valor.

O que será que vão escrever na lápide?

Sim, porque alguns podem até achar que vão encontrar a fórmula da vida eterna. Não vão né? Podem até conseguir prolongar. Eternizar jamais.

Ainda bem!

Ontem estava na praia e conversando com um amigo – que passa ele também por um determinado drama familiar – ríamos, mas ríamos com as bobagens que se pode falar e pensar numa praia regada a sol e cerveja. E concluímos: rir é o melhor remédio. Prá tudo.

Aliás, talvez essa fosse uma boa frase de lápide. “Rir é o melhor remédio”.

Mas conhecendo meus amigos eles diriam em frente à minha: “se rir é o melhor remédio o que você está fazendo aí?”.

Como eu sempre gosto de fazer referências a filmes nos meus posts não podia deixar de citar o filme Antes de Partir. Apesar de não falar em lápide, fala de dois sujeitos – um ricaço, mal humorado, amargurado, de mal com a vida, Nicholson, esplêndido – e um mecânico (Morgan Freeman, sempre excelente).

A sinopse é a seguinte (fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-114522/)

Carter Chambers (Morgan Freeman) é um homem casado, que há 46 anos trabalha como mecânico. Submetido a um tratamento experimental para combater o câncer, ele se sente mal no trabalho e com isso é internado em um hospital. Logo passa a ter como companheiro de quarto Edward Cole (Jack Nicholson), um rico empresário que é dono do próprio hospital. Edward deseja ter um quarto só para si mas, como sempre pregou que em seus hospitais todo quarto precisa ter dois leitos para que seja viável financeiramente, não pode ter seu desejo atendido pois isto afetaria a imagem de seus negócios. Edward também está com câncer e, após ser operado, descobre que tem poucos meses de vida. O mesmo acontece com Carter, que decide escrever a “lista da bota”, algo que seu professor de filosofia na faculdade passou como trabalho muitas décadas atrás. A lista consiste em desejos que Carter deseja realizar antes de morrer. Ao tomar conhecimento dela Edward propõe que eles a realizem, o que faz com que ambos viagem pelo mundo para aproveitar seus últimos meses de vida.

O filme é emocionante, divertido, e traz uma belíssima lição de vida. Principalmente aos amargurados.

Mas só para encerrar, se quiser sugestões do que escrever na sua lápide seguem dois links. Mas no Google tá cheio de referências a isso. Todas bem humoradas, claro.

http://revistatrip.uol.com.br/revista/180/salada/o-que-estara-escrito-em-sua-lapide.html

http://www.osvigaristas.com.br/frases/lapide/

Bom domingo. Siga em frente.

Facebook e o case da Bodyform


Mais uma história bem legal.

 

A Bodyform – http://www.bodyform.co.uk/ – marca de higiene pessoal feminina, recebeu em sua página do facebook uma “reclamação” muito bem humorada de um homem que implicava com as propagandas da marca.

 

Ele dizia no post que as propagandas não eram verdadeiras, que achava que as mulheres, durante o ciclo, realmente eram felizes, principalmente porque as propagandas mostravam mulheres durante o ciclo menstrual andando a cavalo, passeando, se divertindo.

 

Aí o sujeito colocou um post no facebook bem humorado:

 

http://www.youtube.com/watch?annotation_id=annotation_903195&feature=iv&src_vid=Bpy75q2DDow&v=1GRi59CfJqI

Se vocês repararem bem, o post tinha quando foi capturada a imagem mais de 80 mil likes, sendo que a página da marca tem pouco mais de 5 mil.

 

O post está aqui, hoje com mais de 90 mil likes: https://www.facebook.com/Bodyform/posts/10151186887359324

 

Aí a marca colocou a CEO da empresa para fazer um vídeo respondendo, nominalmente, a reclamação do sujeito.

 

Muito bem humorada.

Ficou muito legal.

Conclusão: as redes sociais e facebook estão mudando a forma como as empresas lidam com seus clientes.

É inevitável. Ou você está dentro desse jogo, ou você está (por) fora.

 

Sua vida online


Fazia tempo hein? Parece preguiça.

Pode até ser. Mas ultimamente estou trabalhando muito.

E cuidado: quem trabalha muito não tem tempo de ganhar dinheiro.

O vídeo abaixo mostra um comercial bem humorado sobre segurança financeira.

Pessoas são convidadas para serem consultadas por um vidente.

E ele acerta tudo.

Veja a mágica por detrás da mágica.

E prometo voltar a escrever sobre carreiras e gastronomia.

Me aguarde…

Vamos prá frente!

Reagindo com inteligência


Caramba, fazia quase três semanas que esse blog ficou abandonado por este escriba. Também pudera: o ano de 2012 que não vai deixar saudades. Ou vai? Isso é outro papo.

Aproveito esse final de sexta-feira para postar um negócio que achei bem legal. Que fala de marketing e críticas na web.

É comum atitudes iradas nos dias de hoje de pessoas e empresas que são criticadas e às vezes satirizadas nos blogs e redes sociais.

O Spoleto fez algo novo. Usou de inteligência e fez uma grande limonada de um limão que poderia azedar o humor de outros.

Vejam só: o Kibe Loco junto com o ator Fabio Porchat (que está se especializando em fazer vídeos satirizando marcas) e outros atores humoristas, criou um canal no YouTube e fez uma crítica bem humorada ao atendimento do Spoleto, rede de fast food. Prá quem não conhece o Spoleto é um restaurante onde os clientes pegam uma fila e escolhem os ingredientes e um cozinheiro prepara o molho e a massa dos que pedem.

E a crítica do vídeo era de um funcionário mal humorado (Porchat) maltratando uma cliente indecisa e lenta prá pedir seu molho. A marca Spoleto não aparecia claramente, mas ficava evidente para quem frequenta o restaurante que era uma crítica dirigida a ele.

Depois da divulgação, seria natural algum advogado ou mesmo a assessoria de imprensa do Spoleto abordar o Kibe Loco pedindo para tirar o vídeo ou qualquer coisa do tipo. Mas o Spoleto fez o contrário. Propuseram uma campanha. Fizeram a limonada do limão.

Vejam o primeiro vídeo, o da crítica.

Aí o pessoal do Spoleto procurou o Kibe Loco e resolveu patrocinar o site, com a produção de uma continuação do vídeo.

Vejam o segundo vídeo.

Sensacional não é?

No link abaixo o Kibe Loco explica tudo o que aconteceu.

http://kibeloco.com.br/2012/08/29/spoleto-parte-2/

E prá quem não conhecia esse canal, veja o vídeo do mesmo Porchat conversando com uma atendente da TIM. É de rolar de rir. Mas qualquer semelhança terá sido mera coincidência…

Siga em frente!